Get Adobe Flash player Menu requer uma nova versão do Adobe Flash Player.
Dýnamis Dynamis
Dýnamis prospecçãoo eólica


Revista Inovação Unicamp Dýnamis Wind up

Edição 15 de agosto de 2006
Reporter: Janaína Simões


PIPE Pequenas que Inovam


Cietec



Carta Rede Globo para Wind up



Carta Playcenter para Wind up



Túnel de vento: quando teremos um?



Carta Exercito para Wind up
Tecnologia desenvolvida para construir equipamento para parque de diversões será a base para a fabricação de geradores eólicos

Na beira de uma pista de kart, numa conversa entre quatro amigos, surgiu a idéia de se fazer um simulador de queda livre ou de pára-quedismo: um túnel de vento vertical em que uma hélice potente lança para cima quem entra dentro dele. A idéia apareceu para os amigos em 1996. Dez anos depois, um dos participantes da conversa, Luciano Tanz, engenheiro aeronáutico formado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), vê o produto sendo montado, peça por peça, da janela de seu escritório. O Wind Up deve ser o primeiro produto da empresa Dýnamis, que recebeu financiamento do Programa Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas (PIPE), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), para que a idéia nascida na pista de kart se concretizasse. O Wind Up pode ser usado para treinamento militar em pára-quedismo, por exemplo, ou como atração em parques de diversão e eventos. O da Dýnamis deverá estar pronto no final deste ano. O conhecimento gerado no desenvolvimento do produto está na base do novo projeto da empresa, um gerador eólico de médio porte, também apoiado pelo PIPE.

A história do Wind Up mostra todos os percalços que um empreendedor enfrenta no Brasil. O mais sério deles é a questão do financiamento, diz Luciano, que coordena os dois projetos e dirige a empresa. Na época da conversa com seus amigos, ele trabalhava na Embraer. Todos se empolgaram com o projeto, no início, mas foram desistindo ao verem a complexidade tecnológica do produto e as dificuldades em levantar capital. Apenas Luciano continuou no sonho de fazer um simulador mais barato e mais silencioso do que os concorrentes importados. "Esse produto servirá para alavancar recursos para a empresa. Vamos fabricar esse para alugar o equipamento para gerar caixa para novos projetos da Dynamis. Nossa intenção não é fabricá-lo em série", explica.

Do PIPE veio um total de R$ 400 mil para a pesquisa, mais R$ 150 mil em bolsas técnicas para financiar a contratação de recém-formados; do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), R$ 100 mil, por meio das bolsas RHAE — valores aproximados. Na equipe de 14 funcionários, oito são bolsistas, jovens recém-formados aos quais Luciano dedica atenção, por conta da necessidade de treinamento e orientação.

Pesquisa e Desenvolvimento

O Wind Up é um equipamento móvel. Está sendo instalado sobre uma carreta de 15 metros de comprimento. O trabalho de pesquisa e desenvolvimento (P&D) concentra-se na busca por alta eficiência e baixo ruído, além de mobilidade, segurança e conforto. Auxiliado por pára-quedistas, Luciano coletou dados sobre saltos e sobre os efeitos do vento no corpo humano. "Com todos esses dados, foi possível simular o túnel em computador e otimizar sua aerodinâmica, visando ao melhor aproveitamento de energia", explica o empresário no projeto apresentado para Fapesp.

As hélices projetadas medem 2,7 metros, têm 11 pás e são movidas por um motor a diesel. Como era importante chegar a um baixo nível de ruído do conjunto hélice-motor, a acústica foi o primeiro desafio em termos de P&D. "Desenvolvemos um equipamento para fazer testes e medições em acústica que acabou se tornando um subproduto do Wind Up", conta. A empresa desenvolveu o novo aparelho e também elaborou o software responsável pelas medições — pois não havia no mercado um produto já pronto que medisse os ruídos de baixa freqüência emitidos pelas hélices. Agora a empresa também presta serviço para outras firmas, fazendo testes acústicos.

A empresa estudou ainda os materiais. A espuma ideal para revestimento do tubo de vôo custa, no mercado, cerca de R$ 60 mil. O material é importado. Para reduzir esse custo, Luciano fez um novo material, que custa R$ 7 mil. O sistema de transmissão, que leva a potência produzida pelo motor até a hélice, fazendo as pás girarem, também foi resultado de um esforço da própria Dynamis. "Surgia muita coisa nova para a gente durante o desenvolvimento do Wind Up e todos esses trabalhos levaram a um atraso no cronograma. Por isso, o equipamento só deve ficar pronto no final do ano", diz.

O grande desafio desses simuladores, dizem empresários que atuam no setor, é fazê-los móveis, mantendo os padrões de segurança para os usuários. No exterior — em especial nos Estados Unidos, os líderes na tecnologia —, a maioria dos equipamentos é fixa, pois algumas experiências com móveis resultaram em acidentes. Os custos para desenvolvimento são elevados. Somente para inovações incrementais, a Sky Venture, uma das líderes do setor gasta, anualmente, entre US$ 1,5 milhão e US$ 2 milhões. Em dez anos, essa empresa investiu cerca de US$ 10 milhões no desenvolvimento dos simuladores fixos. A solução da hélice vertical também é um desafio complexo. No mercado, os modelos fixos mais avançados estão incorporando as hélices na parte de cima do equipamento, mas essa tecnologia é patenteada.

O projeto da Dynamis é inovador nesse quesito, diz Luciano. "Estamos desenvolvendo um simulador móvel com características do fixo", aponta. Ele trabalha com um plano de hélice vertical, ao invés de horizontal, o comum nos equipamentos fixos. Um duto leva o vento gerado para dentro do túnel de vôo. As pás da hélice são feitas com uma dupla camada protetora. A primeira deforma e absorve impacto; a segunda é mais robusta. Em uma situação extrema como uma pá da hélice sair voando, a projeção da hélice na vertical faz com que ela caia no solo e não vá em direção aos espectadores, por exemplo. Um sistema de freio reduz a velocidade do vento mais rapidamente, em caso de pane. Além disso, existem as proteções de tela e redes colocadas no tubo de vento.

O Wind Up precisa ficar pronto até o final deste ano porque os recursos estão acabando. A maior preocupação de Luciano é com a equipe de bolsistas, que são os funcionários da empresa, ao lado de cinco soldadores e da secretária. As bolsas concedidas pela Fapesp e pelo CNPq acabam este ano. "Gastei um tempo no treinamento desses técnicos e não quero perdê-los justamente agora", diz. A principal fonte de renda com o equipamento será o aluguel do Wind Up para as empresas divulgarem suas marcas em eventos. O aparelho tem, na parte superior e nas laterais, um espaço reservado para divulgação dos logotipos das companhias. Outra idéia do empresário é concorrer em editais de patrocínio de empresas como Petrobras e Banco do Brasil.

O gerador eólico

O conhecimento adquirido no projeto do Wind Up será a base do novo produto da empresa. No primeiro semestre de 2006, a Fapesp aprovou outro financiamento para que a Dýnamis estude a viabilidade de projetar e construir um gerador eólico — dentro da chamada Fase I do PIPE. A empresa quer produzir geradores eólicos de médio porte, com diâmetro de 15 metros. Luciano não quer dizer a potencia do gerador — mas como ele se chama Eoldyn 50, provavelmente é de 50 kW. A idéia da Dýnamis é aproveitar a janela de oportunidade da redução das reservas energéticas mundiais e a busca de fontes alternativas de energia. "No Brasil, apesar de já existirem várias fazendas eólicas, praticamente todos os equipamentos são importados e de alto custo", lembra o empresário. Quatro bolsistas que estavam no projeto do Wind Up serão transferidos — ou 'promovidos', como brinca Luciano — para o desenvolvimento do gerador. Um dos bolsistas está trabalhando apenas com a parte de informática, desenvolvendo as bases que vão sustentar o novo projeto. Luciano tem dois mercados em mente: vender os geradores para as fazendas eólicas e montar uma usina, no futuro, com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou de outra agência de fomento.

A saga do empreendedor

A história da criação da Dýnamis revela as dificuldades que atravessam o caminho de quem empreende — e o papel da Fapesp e de outras agências de fomento para viabilizar os primeiros projetos. Em 1997, Luciano saiu da Embraer e começou a fazer mestrado no ITA. Dentro do curso, procurava informações que pudessem auxiliá-lo no desenvolvimento do Wind Up. Também iniciou a luta pelo capital para poder formar a empresa. Primeiro, tentou divulgar o projeto do produto na mídia, usando da publicidade para atrair investidores. Conseguiu um espaço na revista Superinteressante, da Abril, e com essa pequena reportagem, precisou registrar a marca do produto. "Para proteger a marca, precisei criar a empresa, o que ocorreu em 1997", lembra.

O próximo passo foi procurar dinheiro. Inicialmente, ele pensou em empresas parceiras, em especial os parques de diversão, pois esse tipo de equipamento é muito utilizado por esses empreendimentos no exterior. Procurou o Playcenter, que quase fechou acordo, mas retrocedeu por causa da crise econômica de 1997. Tentou também o Beto Carrero World, sem sucesso. "Foi minha lição: esse tipo de parceria só se consegue quando temos algo palpável, concreto, nas mãos. Em projeto, ninguém investe", conta. Foi ainda procurar incubadoras, como a Companhia de Desenvolvimento do Pólo de Alta Tecnologia de Campinas (Ciatec), onde fez o curso para jovens empreendedores. "Mas as incubadoras oferecem o espaço físico e meu problema não era esse, era obter capital para começar o projeto do Wind Up", diz.

Luciano falou com a Caixa Econômica Federal, que lhe pediu o faturamento da empresa — que era zero. Tentou com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), dentro da linha de recursos reembolsáveis, e veio a mesma exigência da Caixa. Como apresentar faturamento se a empresa é formada, basicamente, por um projeto inovador? Sem poder cumprir essa exigência, desistiu dos bancos e da Finep. "Inicialmente projetei um equipamento fixo, e para isso precisaria de alguém vinculado ao projeto para montá-lo em um local. Simplifiquei o projeto do equipamento, tornando-o móvel e, por isso, mais compacto, o que reduziu custos e eliminou a necessidade do parceiro para a instalação", revela.

Cansado de correr atrás de capital, começou o projeto com recursos próprios, vindos do aluguel e venda de terrenos e galpões pertencentes à família, além de alguns trabalhos que fazia como prestador de serviço em engenharia. O pai de Luciano, Rudolf, acompanha a empreitada desde o início. "Sem ele me apoiando, nada teria ido para frente", agradece. Com o pai de sócio, comprou a carreta para montar o simulador. A essa altura, o mestrado no ITA ficou em segundo plano; apesar de ter cursado todos os créditos necessários e de ter aplicado muitos dos conhecimentos adquiridos na pós-graduação em seu projeto, Luciano nunca apresentou a monografia para conseguir o título de mestre.

Um diretor da Mectron, empresa de base tecnológica de São José dos Campos, foi quem "apresentou" a ele o PIPE. Luciano enviou, então, o projeto do Wind Up para a Fapesp e conseguiu um financiamento junto ao PIPE para a chamada Fase II, que apóia o desenvolvimento da parte principal da pesquisa. Posteriormente também obteve bolsas do RHAE Inovação, do CNPq. "Sem esses auxílios, não há como uma pequena empresa fazer pesquisa e desenvolvimento", aponta o empresário.

Dýnamis notícias Dýnamis home
.
.
Dýnamis Alta Tecnologia em Soluções e Produtos
© 2010 Dýnamis Indústria e Comércio Ltda. Todos os Direitos Reservados.
Rua Ernestina, 200 - Vila São João - Ferraz de Vasconcelos - SP - Brasil | CEP 08537-400 | Fone: 55 (11) 4678-1088